Projeto de extensão – Parte 5: Justificativa


Título do projeto:

Estratégias de ensino/aprendizagem no desenvolvimento por meio de um blog educativo na área da saúde

Justificativa

TENDO EM VISTA que:

I. A Política Nacional de Extensão (http://www.renex.org.br/documentos/2012­07­13­Politica­Nacional­de­Extensao.pdf) que, entre outros, aponta que a extensão:

  1. É um “…processo acadêmico definido e efetivado em função das exigências da realidade, além de indispensável na formação do estudante, na qualificação do professor e no intercâmbio com a sociedade”.
  2. É “…parte da solução dos grandes problemas sociais do País”.
  3. Implica em “…relações multi, inter e ou transdisciplinares e interprofissionais de setores da Universidade e da sociedade”.
  4. Deve “…possibilitar novos meios e processos de produção, inovação e disponibilização de conhecimentos, permitindo a ampliação do acesso ao saber e o desenvolvimento tecnológico e social do País”.
  5. Objetiva “estimular a utilização das tecnologias disponíveis para ampliar a oferta de oportunidades e melhorar a qualidade da educação em todos os níveis”.

II.  E as Diretrizes para a Extensão Universitária na UFRJ, conforme expressas pela PR5­-Pro­-Reitoria de Extensão (http://extensao.ufrj.br/index.php/o­que­eextensao/conceito#), a saber:

a) Interação dialógica;

b) Interdisciplinaridade e Interprofissionalidade;

c) Indissociabilidade ensino – pesquisa – extensão

d) Impacto na formação do estudante

e) Impacto na transformação social

 E, também, considerando que:

  1. A sociedade contemporânea está cada vez mais imersa em processos e produtos do conhecimento.
  2. O domínio e capacidade de gerir este conhecimento são ambos fontes de poder, e assim sendo, podem tornar-­se ferramentas de inclusão social e democratização da sociedade.
  3. Os novos processos de produção e transmissão do conhecimento, assim como os diferentes meios contextos de aprendizagem são um constante desafio para o velho paradigma acadêmico de produzir saberes e transmiti­-los unilateralmente.
  4. Parcela importante destas transformações ocorre criada, modulada, ampliada modificada e difundida pelas novas Tecnologias de Comunicação e Informação.
  5. A produção de conteúdo na internet é volumosa, dispersa e continuamente mutável.
  6. A sobrecarga da informação tem efeito semelhante ao da ausência, no que se refere ao aprendizado e consequente conduta e ações cotidianas.
  7. O material publicado é variável e de qualidade nem sempre adequada.
  8. Informação de baixa qualidade leva a incompreensões e erro, favorecendo condutas danosas ao indivíduo e à sociedade.
  9. O aprendiz em saúde está cada vez mais imerso em uma sociedade em rede, onde a informação flui em caminhos mutantes.
  10. Cada vez mais processos de aprendizagem fazem uso e demandam competências de alfabetização digital, competências para identificação, seleção e processamento de fontes de informação ‘on line’ de modo a favorecer o pensamento crítico.
  11. A velocidade de transformação acelera­-se no dia a dia, levando à rápida obsolescência da informação disponível.
  12. A aceleração dos processos de aprendizagem tende a dificultar a reflexão, favorecendo a memorização superficial de conteúdos em detrimento da compreensão e aprofundamento.
  13. O profissional de saúde necessita de aprendizagem contínua de qualidade com efeitos diretos na vida humana.
  14. A pletora de conteúdo específico à saúde não se acompanha de materiais que permitam ou estimulem um aprendizado autônomo, crítico e reflexivo. Por isto ações de curadoria responsável tornam ­se cada vez mais relevantes para favorecer na sociedade maior capacidade de gerenciar este grande fluxo de informações, contribuindo para sua transformação em conhecimento socialmente relevante.
  15. Estudantes de graduação e principalmente de pós ­graduação são frequentemente solicitados por múltiplas atividades acadêmicas e profissionais, a favorecer o uso de ferramentas de aprendizado assíncrono e independentes de espaço físico definido.
  16. Sendo a saúde e educação dois temas fundamentais para o exercício da cidadania, tais conteúdos são também de interesse a públicos externos à universidade.
  17. Tais públicos, mutatis mutandi, estão também imersos nesta sociedade da informação, sofrendo da mesma forma as consequências da sobrecarga da informação. Neste sentido, favorecer acesso gratuito e de qualidade a conteúdos dialogicamente construídos pode contribuir para processos de inclusão e democratização dos mecanismos decisórios da sociedade.

JUSTIFICA-SE assim a criação e manutenção de um blog com ênfase na aprendizagem da saúde que permita:

  1. Curadoria de material pertinente e de qualidade, atualmente disponível, porém disperso na rede.
  2. Produção coletiva de conteúdos pertinentes ao tema do blog e considerados relevantes para o público alvo.
  3. Distribuição rápida de material próprio ou de terceiros (respeitados os direitos autorais e de publicação).
  4. Debate público dos temas socialmente relevantes.
  5. Apoio a disciplinas de graduação e pós­-graduação na UFRJ.
  6. Produção de dados para projetos de pesquisa.

 

                                          Anterior           ⇔           Próximo

Anúncios