Copiar ou Prestar Atenção? A Estrutura da Atitude Mental da Atenção


Como prometi no post da semana passada, hoje inicio a mostrar como objetivamente prestar atenção.

No início desta série apresentamos o conceito de “prestar atenção” como uma atitude. Uma atitude que envolvia:

  • ficar olhando para o professor,
  • pensar naquilo que ele diz,
  • fazer um esforço para se concentrar,
  • não pensar em outros assuntos,
  • e outras coisas semelhantes.

É bem verdade que quando você está atento em geral você olha para o professor, pensa no que ele diz e etc.  Mas o problema aqui é que estas atitudes são eventos externos e secundários ao verdadeiro ato da atenção. São consequência de algo. E tanto isto é verdade, que se você está desatento, não consegue tomar estas atitudes. Mas se está atento elas estão presentes sem que você precise se preocupar com elas. Elas surgem “naturalmente”.

Na verdade estas atitudes não são naturais no sentido de surgem sem causa. Mas você pode toma-las como “naturais” na medida em que surgem sem esforço porque consequentes de algo que lhes antecede: A Atitude Mental de Atenção.

Ter Intenção – O Projeto de fazer o necessário.

Você talvez tenha percebido que desde que iniciei este texto dei muita importância a consciência, seja no sentido de perceber o mundo à sua volta, seja na intenção de fazer algo. E este é o ponto de partida da Atenção. Note que usei o termo intenção. Poderia ter escolhido desejo? Vontade?

Acho que não. No desejo você apenas quer que algo aconteça. Na intenção você se compromete a fazer o que é necessário para atingir o objetivo. A diferença aqui está em dois aspectos. Um, já dito, é o compromisso. Mas o outro é a clareza do necessário. O seu compromisso é com um conjunto de ações, que você sabe quais são e como fazê-las.

Isto é, sua intenção é um projeto que descreve objetivamente tudo o que você fará e como vai fazê-lo. Mas como fazer isto?

Por meio de uma ordem mental para você mesmo. Por exemplo; procure lembrar-se de uma circunstância qualquer em que você teve que fazer algo difícil e muito complicado. Provavelmente antes de fazer, você repassou na sua mente tudo o que deveria fazer. E você fez isto às vezes “vendo”, às vezes “dizendo” para você mesmo tudo o que deveria ser feito. Não foi mais ou menos assim?

É isto o que me retiro como “ordem mental”. Assim, para dar início à. Atitude Mental de Atenção, diz para você mesmo:

1. Que vai executar a atitude.clip_image002[5]

2. Quando vai executá-la (durante a aula ou palestra).

3. Como vai fazê-la (descreve os procedimentos necessários).

Uma sugestão que dou é enunciar mentalmente, pouco antes da aula estas três etapas. Algo como: “Na próxima aula eu vou prestar atenção. Isto é, vou usar as formas mentais para construir na minha mente o conteúdo da aula.”

Note que este detalhamento, na realidade, só é necessário no início, quando você está aprendendo. Depois, o processo todo vai se automatizando. Progressivamente a ordem mental vai se tornando mais sintética. E é possível que ao final ela não passe de uma rápida lembrança do tipo:”- Atenção!”.

Mas note que neste caso, dizer para si “Atenção!” não foi uma mera redução; foi um adensamento. Com aquela única palavra, você continua dizendo tudo o que dizia antes, apenas não precisa falar tanto.

Fazer existir mentalmente o conteúdo (Formas mentais):

Ao ler o texto, talvez você já tenha se perguntado sobre como fazer para internalizar o conteúdo da aula. Além disto, ainda pouco falei de “formas mentais”. O que é isto?

Isto nos leva a uma questão maior. A realidade externa; por exemplo, o que o professor diz ou faz, acontece fora de nós. E para tornar este conteúdo próprio, é necessário que ele passe à existir dentro de nós. Então é legítimo que nos perguntemos sobre como a mente faz para internalizar estes conteúdos.

clip_image004[5]Responder a esta pergunta é ainda tarefa para a pesquisa científica e filosófica. E há no momento variadas respostas, sobre as quais não há acordo universal. Discuti-las foge do escopo deste texto.

Mas há uma que se não é muito precisa, tem a vantagem de ser didática. E ainda mais nos ajuda a resolver o seu problema prático de prestar atenção em aula. Esta resposta é: A mente internaliza a realidade externa por meio de representações mentais. Isto quer dizer que se eu sei reconhecer uma cadeira, é porque eu criei para mim mesmo uma “cadeira mental”, ou seja, uma espécie de “fotografia mental” desta cadeira. E é esta foto a que posso usar para comparar o que vejo com o que já possuo na mente e assim dizer se o objeto a minha frente é uma cadeira ou outra coisa.

Assim, para prestar atenção você precisa internalizar os conteúdos da aula. E isto só é feito quando você os faz existir internamente. E eles só existem sob a forma de representações mentais. E as representações mentais existem na sua mente como formas mentais que são semelhantes ao conteúdo externo. Portanto agora tenho já uma definição:

Atitude Mental de Atenção é o processo de criação de formas mentais dos conteúdos a serem aprendidos.

.
.   .

Agora que você já sabe que para ter a Atitude Menta de Atenção, aguarde a próxima semana quando mostrarei a você o que é uma forma mental.

Até lá!

Você tem alguma dúvida ou pergunta?

Deixe sua questão no campo de comentários !

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s