Como uma pessoa que tem uma inteligência pode desenvolver outra?


 

Letícia, um leitora do blog me pergunta:

Gostaria de saber, como uma pessoa que tem inteligencia interpessoal, pode desenvolver a inteligencia lógico-matemática.???? o motivo da pergunta é imaginemos a situação um líder ( administrador de uma empresa) deve saber efetuar os cálculos, até mesmo para encontrar melhores soluções, ou um promotor público, caso ele não tenha a capacidade de associar o fato as normas, neste caso  sentido lógico, não será eficaz, ou seja não conseguirá a atuar.
Atenciosamente,  
Letícia.

Bem, eu acho esta pergunta muito interessante e me parece que interessa a mais gente. Por isto respondo-a aqui.

Temos UMA inteligência?

Nós não temos UMA inteligência, ou duas, ou três, ou seja lá que número for. Na realidade somos pessoas que agimos em ralação a algo com maior ou menor grau de inteligência. Isto quer dizer que que quando agimos, o fazemos de forma inteira e integral. Não é uma parte de nós que o faz, sem qualquer relação com as outras partes.

Neste sentido então, ninguém “tem  inteligência interpessoal”, se nesta afirmativa está implícito que tê-la implica na inexistência das outras. É claro que de forma mais ou menos natural, temos mais facilidade em determinadas tarefas do que em outras. Isto significa, entre outros, que temos uma de nossas inteligências que desponta na comparação com as outras. E neste caso dizemos que a pessoa “tem aquela inteligência e não a outra. Mas note o “em comparação”. Isto é; todas estão presentes, porém apenas uma determinada, por exemplo a interpessoal, se expressa com maior freqüência ou intensidade.

Um outro aspecto é que dificilmente uma tarefa é tão especializada que exija uma única inteligência. Um líder, por exemplo, pode ter atingido este posto por conta de sua inteligência interpessoal. Mas sua capacidade de lidar com pessoas não foi provavelmente a única responsável pela sua ascenção ao posto. Se ele como líder precisa fazer cálculos, é provável que como liderado também tivesse de fazê-los, mesmo que com outros dados ou objetivos. Ainda mais, se ele precisa fazer cálculos é porque isto é minimamente relevante na sua área. E assim sendo, se ele fosse muito limitado em calcular, isto teria impedido, ou pelo menos dificultado sua ascenção ao papel de líder.

O que fazer então?

Aqui eu respondo mais diretamente à pergunta. De forma mais simplista, este líder precisa aprender a calcular. Chamo a atenção para o texto acima. Ter inteligência interpessoal não implica em que a lógico matemática inexista. Apenas que ela está menos desenvolvida. Mas isto não significa que o líder do exemplo tenha que sofrer sem esperanças. Ele pode usar sua inteligência interpessoal para aplainar o caminho. Há um antigo ditado que diz: “Todos os caminhos levam a Roma.” Aplicado a este caso, vejo dois caminhos possíveis.

O primeiro é o de organizar e liderar uma equipe multidisciplinar, onde as diferentes tarefas são executadas pelos respectivos “especialistas”. É claro que no trabalho em equipe nem tudo pode ser compartimentalizado, e as interfaces precisam ser trabalhadas com adequação. Da mesma forma, algumas tarefas precisam ser compartilhadas, e portanto há que se balancear a proporção de “especialistas” em relação aos “generalistas”. Mas é função do líder harmonizar o grupo e conduzi-los em direção aos objetivos desejados.

Não é a toa que a gerência tem sido comparada à regência. Um maestro rege especialistas; pianistas, violinistas, percussionistas, harpistas, etc. Não é ele próprio um virtuose em um dado instrumento. Sua especialidade é outra; reger. Isto é, conduzir uma orquestra multivariada para a perfeita execução de uma peça sinfônica. E aqui apenas mais um argumento a favor da interação entre as inteligências. O regente, é claro, precisa ter uma inteligência musical bem desenvolvida, mas é também um líder de pessoas, o que implica em demandas para sua inteligência interpessoal.

Há ainda um outro caminho, que não exclui o primeiro, mas o complementa. Este lider pode usar sua inteligência interpessoal para aprender a calcular. Assim:

  1. Aprender pelo diálogo: Esta é a sua força. Ele poderia atrair para junto de si, na empresa ou fora dela pessoas que pudessem ajudá-lo na tarefa. Por exemplo um professor particular com quem pudesse, na conversa, aprender o necessário. Neste caso não poderia ser um professor qualquer. Teria que ser um capaz de ensinar pelo diálogo. Por outro lado poderia fazer bom uso das conversas “de corredor”. Em contato com as pessoas competentes na tarefa a ser aprendida, e em conversas informais, ele estaria buscando os pedaços de informação necessários para o seu aprendizado. Mais que isto, poderia pedir ajuda, nos momentos e para as pessoas que julgasse adequadas. Note que em tudo isto está em jogo a capacidade do líder em relacionar-se e mobilizar pessoas em direção a uma meta. Mas isto não deveria ser problema para este especialista em lidar com gente.
  2. Aprender ensinando: Mesmo sendo difícil para ele a tarefa de calcular, ele poderia tomar para si a responsabilidade de ensinar a quem não sabe alguns aspectos já dominados ou julgados de menor dificuldade. Ensinar o que se sabe, ou se está aprendendo, é muito eficaz para aprender. E neste caso ocorre na relação interpessoal. O ensino, é claro, não seria dirigido aos especialistas, mas aos que o líder se sentisse seguro. Por exemplo, um novo estagiário, ou talvez ajudar uma criança nos deveres de casa. Poderia mesmo, assumir a tarefa de coordenar algum sistema de educação continuada na empresa, onde poderia participar de aulas ou seminários nos quais o especialista escolhido teria o papel predominante. E assim, novamente, estaria lidando com pessoas, a sua força, agora tendo como efeito colateral desejado, o aprendizado das tarefas necessárias.
  3. Tratar os números como pessoas: A linguagem matemática é lógica, e nisto se afasta um pouco das pessoas; mas lida todo o tempo com relações. Como gerente, o lider está adicionando recursos para multiplicar a produção. Precisa evitar que tarefas excessivas e dificuldades de comunicação subtraiam da equipe a capacidade de atingir as metas desejadas. Precisa em algum nível, dividir tarefas e responsabilidades. Em geral, dada a competitividade do mercado, as equipes trabalham no limite onde cabe ao gerente equilibrar a relação entre recursos e metas de modo a  maximizar a produtividade. E este trabalho se faz por aproximações sucessivas, ou iteração. Ao analisar o desempenho da equipe precisa extrapolar para poder prever ações futuras, mas do mesmo passo, precisa interpolar para identificar causas de picos ou vales de produção em desempenhos passados. O desempenho da equipe ou da empresa se avalia em séries numéricas frequentemente temporais. Note aqui, que intencionalmente usei termos da área matemática para fazer interfaces com eventos da vida diária na empresa. Iniciei com as quatro operações básicas da aritmética ampliando para noções mais complexas. Aprender matemática é em grande parte estudar as quantidades e suas relações. Neste nivel mais abstrato faz muitas interfaces com a gerência. Sim, não podemos tratar pessoas com números, já que elas não são. Mas podemos lidar com números como se eles fossem pessoas. Fazer isto não tornará o líder um exímio matemático, mas com certeza, fará com que o domínio das tarefas necessárias seja atingido com menos sofrimento.

E então, Letícia. Será que respondi?

Um abraço, e obrigado pela oportunidade de ensinar
algo relevante para você e provavelmente para outros.

Prof. Mauricio Peixoto

Anterior

 

Você tem alguma dúvida ou pergunta?

Deixe sua questão no campo de comentários !

Anúncios

2 thoughts on “Como uma pessoa que tem uma inteligência pode desenvolver outra?

  1. Olá!
    Não sou linguista e portanto estou limitado no que se refere à comentários específicos ao Esperante (ou a qualquer outra língua). Mas o que é importante ressaltar que o ser humano NÃO é compartimentalizado. As inteligências fazem múltiplas interfaces entre si. Ainda mais, as atividades humanas, cada uma a sua maneira fazem interface e utilizam todas as inteligências. Isto não significa que umas utilizem mais uma inteligência que outra. Uma linguagem, é óbvio, privilegia a inteligência linguística. Sendo lógica, demanda e estimula a lógico-matemática, como você corretamente percebeu. Mas observe que qualquer linguagem é uma forma de comunicação, e ao comunicar-me preciso entrar em contato com o outro, saber quem é ele e a melhor maneira de atingi-lo com minha mensagem. Daí a importância da inteligência interpessoal. Por outro lado, comunico-me por conta de desejos e necessidades minhas. Preciso saber o que quero e emn que medida devo externar isto. E aí é onde entra a inteligência intrapessoal. Por outro lado ao comunicar-me eu falo e me movimento. Expressões sonoras e corporais fazem parte do processo de comunicação, e portanto entram em ação as inteligências musical e corporeo-cinestésica. Finalmente note que a inteligência visual-espacial entra em jogo quando você descreve coisas e eventos do seu dia a dia. Por isto, é razoável afirmar, que a comunicação humana é um processo total, envolvendo tudo e todos, mesmo que em uma dada circunstância uma inteligência ou outra seja mais relevante. fui claro?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s