Em direção a uma filosofia da Educação


Gill_Learning how to learn Hoje apresento a vocês um livro muito interessante que é um dos meus textos de cabeceira. Aqueles que puderem comprar eu sugiro que o façam. Para os que não puderem no futuro colocarei alguns resumos que considero mais releveantes e que merecem divulgação. Trata-se de “Learning how to learn: Toward a Phylosophy of Education” de Jerry H. Gill.

No livro, a partir de inúmeras discussões sobre a qualidade da educação, e pesando os pros e contras de cada uma delas, uma questão aflora e é considerada como tendo uma importância central e promotora da motivação para a elaboração deste livro. Trata-se da falta de uma filosofia da educação que discuta em profundidade qual o lugar do conhecimento, como os conhecedores são e o que pode ser conhecido.

É o propósito do livro levantar estas questões cruciais. O típico professor de nível superior simplesmente reproduz no seu curso o que o professor que o antecedeu fez, sem elaboração maior. Este livro representa um esforço para trazer as teorias e práticas próprias do autor e juntas formar uma ventilada teoria da educação.

Nas palavras do autor:

“A metáfora guia que serve de eixo para as considerações seguintes é a dança, entendendo que a característica focal da atividade cognitiva é a interação entre o aprendiz e o meio, tanto físico quando social. Essa interação relacional consiste em um processo de troca – dar e receber – em que ambos, o aprendiz e o aprender se definem mutuamente e continuamente. Este modelo esclarece a compreensão tradicional da prática educacional de tratar o conhecimento como uma realidade estática, em que o conhecimento de cada conhecedor -professor- é transferido para outros conhecedores -os alunos-. Este modelo contradiz a compreensão filosófica da cognição como primariamente, se não exclusivamente, uma função da mente. Dançar envolve tanto o corpo quanto a mente, é uma atividade social que se relaciona horizontalmente com outros dançarinos e verticalmente com o que se vai dançar. A interação social incorporada numa contínua transformação do meio repousa no centro da cognição humana e deve formar a essência da teoria e prática educacional”.

A estrutura dos capítulos é desenvolvida pela compreensão definida acima da atividade cognitiva. O capítulo 1 examina a filosofia educacional de quatro importantes pensadores: Whitehead, Dewey, Freire e Rogers. O capítulo seguinte explora o pensamento de Maurice Merleau-Ponty e Michael Polonyi centrado na noção de que o conhecimento é relacional e incorporado pela interação físico-social. No capítulo 3 o autor desenha sua experiência pessoal em sala de aula com métodos práticos da sua organização, considerando também a responsabilidade dos estudantes e o papel da discussão.

O autor diz-se convencido de que o processo é mais importante de que o produto na educação. A informação pode ser buscada nos livros e diz que o que é de suma importância é aprender como aprender, tornando-o sempre apto a aprender mais.

Inicia-se a segunda parte do livro abordando a visão a partir do aprendiz com as considerações dos mesmos filósofos e se completa na terceira parte com a visão do conhecer ou aprender dentro da mesma organização.

Tal qual no processo do conhecimento, onde tanto o conhecedor quanto o conhecer são funções dele e relacionais; no ato de dançar são relacionais o dançarino e a dança, ou seja um depende do outro mutuamente para acontecer. O autor diz que sua convicção na resolução das questões da teoria e prática da educação devem ser analisadas sob a luz da epistemologia e clareadas sobre a natureza do processo do conhecimento, do conhecedor e do que deve ser conhecido.

O objetivo do autor é utilizar uma metáfora de eixo relacional com estabilidade contextual suficiente que dê condições de desenvolver o processo de conhecimento.

Referência:

Gill, Jerry H.: Learning to Learn: Toward a Philosophy of Education (introd..), – Ed.:Humanities Press International, Inc., Atlantic Highlands, New Jersey, pp 1-11, 1993

Você tem alguma dúvida ou pergunta?

Deixe sua questão no campo de comentários !

Leia também:

O Conhecimento segundo Paulo Freire

O Conhecimento segundo Dewey

O conhecimento segundo Carl Rogers

O interesse é o componente emocional da atenção

O que é aprender a aprender? Uma metáfora.

O que é aprender a aprender? Nossos fundamentos

O que é aprender a aprender? – Nossos princípios teóricos

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s