O interesse é o componente emocional da atenção


“A pessoa mais feliz é aquela que tem os pensamentos mais interessantes.”

(Timothy Dwight, educador do século XIX)

Cultivar interesses é geralmente questão de adotarmos uma postura curiosa e inquisidora.

Imagine-se andando numa praia de seixos.

Com uma postura curiosa, você repara nas pedrinhas, em suas diferenças e semelhanças. Algumas são grandes e ásperas, outras pequenas e lisas. Você apanha uma única pedrinha e repara em seus brilhos cristalinos. Encontra pequenos orifícios escondidos e descobre um mundo insuspeitado de frestas, reflexos e simetrias.

Quanto mais você observa, mais enxerga. Quanto mais descobre, mais tem vontade de continuar vendo. Realizar as tarefas diárias de forma inspirada — tal como lavar pratos, aparar o jardim, escrever um relatório financeiro — envolve enxergar. Você direciona a mente para encontrar aspectos interessantes da tarefa. Procura o incomum. Faz o contraste entre o que você sabe e o que você não sabe.

A medida que permite que sua mente estabeleça conexões, você muda de atitude mental e torna-se curioso ou mesmo intrigado por algo que a princípio achava monótono. Se quiser manter a atenção em alguma coisa, tente encontrar algo novo a seu respeito.

(Tom Wujec: Manual de Ginástica Mental)


Você tem algo a dizer ? Quer ampliar o debate ? Comentários são bem vindos.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s