Gardner e as Inteligências Pessoais – Parte 1


InteligenciasPessoais

Resumo de Gardner, H.: As Inteligências Pessoais,
in Gardner, H.:Estruturas da Mente:
A Teoria das Inteligências Múltiplas,
Porto Alegre, Editora Artes Médicas Sul, 1994

É  no livro “Estruturas da Mente…” que Gardner apresenta sua teoria. Por isto grande parte do texto é dedicada à argumentação em defesa de suas idéias. Para tal entre outros aspectos criou critérios para definição de uma inteligência. Em seu livro ele ressalta que não é necessário que TODOS os critérios estejam presentes em TODAS as inteligências, mas apenas que haja um conjunto suficientemente robusto para tornar plausível a ideia de que uma dada inteligência esteja presente no ser humano.

Aqui então, apresentaremos um destes critérios e o que o autor disse a respeito dele, especificamente no que se refere à Inteligências Pessoais. Incluídas nesta categoria estão a Inteligência Interpessoal e a Intrapessoal. Estas no entanto serão tratadas em outro post.

Isolamento potencial por dano cerebral

A ideia aqui é que se a inteligência existe ela deve se localizar em algum lugar do cérebro e poder ser isolada por lesões nestas regiões. E a seguir apresentamos os argumentos do autor relativos à este critério.

O papel dos Lóbulos Frontais e outras estruturas cerebrais

Os lóbulos frontais constituem o lugar de encontro das informações das 2 grandes esferas funcionais do cérebro: as regiões posteriores, que estão envolvidas no processo da informação sensorial; e os sistemas límbicos, onde funções motivacionais e emocionais individuais estão alojadas e de onde nossos estados internos são gerados.

Estas regiões do cérebro são estruturas de grande importância em várias formas de conhecimento pessoal. Defeitos nesta área podem interferir no desenvolvimento e causar várias formas patológicas de conhecimento intra e interpessoal.

Danos à área orbital (inferior) dos lóbulos frontais tendem a produzir hiperatividade, irritabilidade, despreocupação e euforia. Já quando os danos ocorrem na convexidade (regiões superiores) tendem mais a produzir indiferença, desatenção, lentidão e apatia (um tipo de personalidade depressiva).

Após danos aos lóbulos frontais, o indivíduo pode apresentar o desenvolvimento cognitivo relativamente preservado, porém um senso da “mesma pessoa” é sentido como ausente. O indivíduo não expressa mais seu senso anterior de motivação, metas e desejo de contato com os outros; a relação com os outros foi profundamente alterada e seu próprio senso de eu parece ter sido suspenso.

Ainda mais, uma área localizada na região dorsal do córtex, parece decisiva para a vigilância, atenção e estimulação. Seu dano resulta em indiferença e na perda de um senso de importar-se com sua própria pessoa.

Já uma outra localizada na região ventral do córtex parece decisiva para a determinação dos estímulos para uma nova aprendizagem e para respostas emocionais adequadas. Lesões nesta área resultam em falta de interesse em estímulos externos e emissão inadequada de respostas sexuais ou agressivas em direção a outros.

O isolamento da inteligência pessoal por dano neurológico

Um transtorno neurológico pode causar alterações no conhecimento pessoal. Por ex: os pacientes que sofrem de epilepsia de lóbulo temporal vêm a apresentar personalidades um tanto diferentes- sua própria percepção de mundo muda profundamente e tendem a se tornarem introspectivos.

Na síndrome de Down, a capacidade de forjar relacionamentos sociais eficazes com os outros parece relativamente bem preservada, pelo menos em comparação com as capacidades cognitivas mais “diretas” como linguagem ou lógica.

A criança autista pode apresentar capacidades computacionais poupadas, como música ou matemática, mas apresenta uma incapacidade de comunicar-se com os outros e um senso de eu tão prejudicado que ela tem dificuldades em empregar as palavras eu e meu; tem dificuldades em conhecer os outros e em usar este conhecimento para conhecer a si mesmo.

Na próxima semana continuaremos a desenvolver o assunto, tratando de outro critério: História e Plausibilidade Evolutiva. Até lá!

                                                 Anterior    ⇔     Próximo                                                                                                                         

Você tem alguma dúvida ou pergunta?

Deixe sua questão no campo de comentários 

Anúncios

2 thoughts on “Gardner e as Inteligências Pessoais – Parte 1

  1. “Danos à área orbital (inferior) dos lóbulos frontais tendem a produzir hiperatividade, irritabilidade, despreocupação e euforia.” Esses danos podem ser gerados por problemas emocionais?

  2. Sim, problemas emocionais podem ser causa de hiperatividade, irritabilidade, despreocupação e euforia. Mas enfatizo; daí não se conclui que estes problemas emocionais causem dano aos lóbulos frontais.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s