Apologia de Sócrates ou Dos perigos e responsabilidades do professor


No dia 15 de dezembro de 2008 tive a grande responsabilidade de proferir um discurso como representante dos pais durante a Colação de Grau de meu filho na Escola Parque.

Foi um discurso que acredito, fez sentido naquela cerimônia. Mas acredito também que ao referir-se a temas mais amplos, fará sentido neste blog. É também, eu acho, um texto adequado para esta ante-véspera de Natal

Mas isto cabe a você, o leitor, julgar.

Prof. Mauricio Peixoto

—————————————————————————————–

Senhores diretores, senhoras diretoras, meus colegas; coordenadores, pedagogas e professores, 

Senhores e senhoras  pais e mães,

Meu filho, filhas e filhos de outros pais e mães aqui presentes,

A todos agradeço a grande responsabilidade que me foi oferecida de dirigir-lhes a palavra.

A arte é longa e  vida é breve, já dizia Hipócrates. Da mesma forma pouco é o tempo de que disponho.

Vivemos hoje um tempo de indefinições. No dizer de Marx “Tudo o que é sólido se desmancha no ar”.

O mundo está como que atordoado. Mais que crise financeira; uma crise de confiança. Em quem se apoiar neste momento? Em quem acreditar?

No centro capitalista do mundo a estagnação e o desemprego. Apesar disto, no Brasil o dólar dispara. O primeiro mundo em recessão volta os olhos para os paises emergentes. No entanto, aqui e acolá nacionalismos exacerbam-se com visões do passado.

Nossos jovens modelam-se pela celebridade da hora, que tal se tornou pelo fato apenas de ser célebre. Ao mesmo tempo, traficantes e milícias tomam de assalto o estado, procurando legitimar-se no exercício de cargos públicos; outrora símbolos da honra e da probidade.

Senhores e senhoras, meu filho, nossos filhos,

Em tempos de mudança e nevoeiro, importa voltar os olhos para o que não envelheceu. Para o que, com brilho próprio mantém-se vivo apesar dos esforços contrários. Falo de Sócrates; julgado e condenado a morte pelo crime de corromper a juventude. Dele o que diziam seus acusadores?

-Sócrates comete crime e perde a sua obra, investigando as coisas terrenas e as celestes, e tornando mais forte a razão mais débil, e ensinando isso aos outros.

Eis o seu grande crime: Usar a razão e o conhecimento para entender o mundo. Lutar contra a ignorância, o engodo e a má fé. E ainda pior; ENSINAR ISTO AOS OUTROS.

Senhores e senhoras, meu filho, nossos filhos,

Sim. Ensinar é tarefa perigosa. Nestes últimos 2400 anos, de múltiplas e sutis formas ,Sócrates vem sendo repetidamente envenenado.

Sim, Sócrates foi um subversivo. Incitou os jovens a rebelar-se.

Mas chamo a atenção; uma rebeldia de todo longe do protesto dos tolos e ignorantes. Seu chamado era para a sabedoria, para o verdadeiro conhecimento. Os gregos viam a verdade como que oculta em véus, que apenas difusamente revelavam os seus contornos. Cabia aos filósofos retira-los.

Era este o convite socrático; usar o conhecimento e a razão para compreender o verdadeiro mundo, oculto sob os véus da ignorância, do engodo e do preconceito.

E este convite, meus amigos,  me parece agora particularmente importante – confusos que estamos neste mundo pleno de mensagens contraditórias.

Hoje concluo um convívio regular de três anos com a Escola Parque e fico feliz de ter percebido neste tempo todo, que de variadas formas o convite socrático tem sido aceito e estimulado.

Nem sempre estivemos de acordo. Em muitos momentos discordei e não me calei. Mas o tempo todo houve o respeito à discordância.

E aqui explicitamente falo da Heloisa, do Fabio, do Giovani, do Carlão e do Tonico. Mas falo também por inclusão, de todos os 23 professores. Afirmo que cada qual à sua maneira e na sua especialidade, arriscou-se a mais uma vez ser envenenado no julgamento dos ímpios.

Sim, porque verdadeiramente ensinar, é estimular o livre pensar, o raciocínio crítico. O aluno que verdadeiramente aprende, aplica o que sabe no mundo em que vive. E isto é perigoso, porque aqueles que acreditam saber, sentem-se ameaçados quando sua verdadeira  face é revelada.

Senhores pais;

O aluno que aprende incomoda. Mas para nós os pais, é também um prazer.

Neste período de vestibular fiquei muito ansioso quanto ao desempenho do meu filho. Seguidas vezes tive vontade de poupá-lo do sofrimento dos longos e extenuantes exames. Minha esposa em certo momento comentou que se eu pudesse, iria fazer as provas por ele; ao que concordei enfático. No entanto meu filho que escutava o diálogo interveio neste momento dizendo: “-Ainda bem que não pode, porque eu sei mais matemática que você!”.

Pois é. Ele dizia a verdade. E eu que sempre procurei ajuda-lo em seus estudos, percebo que cada vez mais é menor o âmbito de conteúdos nos quais posso ser útil.

Agora então que entra para a faculdade em uma área que não é a minha; o processo deve se acelerar.

Como disse Gibhran “Nossos filhos não são nossos filhos. São filhos da vida…” E hoje uma vida que ele e cada um dos seus amigos e amigos terá de viver de maneira cada vez mais autônoma e independente.

Uma vida que espero, e imagino que os pais aqui presentes também, o permitam se tornar uma pessoa melhor do que já fomos um dia.

Porque é este o ideal da educação, tanto escolar como familiar – Criar um contexto que facilite o crescimento e desenvolvimento de seres humanos sempre maiores e melhores.

Meu filho, nossos filhos,

A vocês têm sido dadas oportunidades que poucos tiveram. Nós com nossas virtudes e limitações, temos feito o que de melhor julgamos para o seu crescimento e desenvolvimento.

Vocês formam hoje uma elite, financeira e cultural. É provável que nas próximas décadas vocês venham a formar algum tipo de classe dirigente neste país e quiçá no mundo. Alguns em órgãos de governo, outros produzindo o novo conhecimento, outros ainda a liderar pessoas em diferentes aspectos da realidade.

Isto porque vocês tiveram e ainda terão por algum tempo condições que poucos desfrutam. Saibam utiliza-las em seu benefício e da coletividade.

Aprendam, estudem, pratiquem. Experimentem o novo, respeitem o antigo. Saibam fazer a adequada síntese entre a tradição que estrutura e a inovação que oxigena.

Mas acima de tudo, saibam que são vocês os responsáveis pelo futuro. Breve o mundo estará em suas mãos; e como disse Violeta  Parra “-Caminhante, não há caminhos. O caminho se faz ao andar.”

Senhores diretores, senhoras diretoras, meus colegas; coordenadores, pedagogas e professores.
Senhores e senhoras  pais e mães

Meu filho, filhas e filhos de outros pais e mães aqui presentes,

Aqui encerro não com as minhas palavras, mas as de minha esposa. Porque apesar do que acabou de ser dito possa ter dado a impressão de uma jornada solitária, afirmo e enfatizo: Desde cedo meu filho, minha esposa e eu temos formado uma forte unidade, onde a educação e aprendizagem tem sido um dos temas muito discutidos e decididos em conjunto.

Por isto o pai agora se retira, para que pelo coração da mãe a mensagem seja entregue.

Uma homenagem a você, meu filho, aos seus amigos e estudantes, potenciais candidatos à universidade:

A primeira coisa que quero dizer é que vocês estão de parabéns!

Aprovados ou não no vestibular, vocês merecem o nosso aplauso e o nosso reconhecimento. Passar para uma universidade de excelência é tarefa árdua e, por que não dizer, desumana?

Sabemos o quanto é difícil dar conta de tamanha quantidade de informações e ainda assim manter a qualidade do seu aprendizado, no momento em que o que está em jogo é a disputa por uma vaga naquelas que são consideradas as melhores faculdades e universidades.

Sabemos o quanto é difícil mergulhar nos livros, focar nas aulas; quando estão aí, vivas e presentes, pressões externas e internas, que tiram a tranqüilidade e te tiram do seu centro.

Considerando que cada um de vocês é, em essência um ser individual e único, e portanto, com competências que ora podem facilitar que ora podem também dificultar o aprendizado, todos vocês, sem exceção, estão passando por esta etapa da vida vitoriosos e merecedores do reconhecimento do papel que ocupam no mundo, na escola, na família e na sociedade.

Que esta consciência permaneça ao longo da sua vida pessoal e profissional. Isto permitirá a sua evolução como ser humano vivo e íntegro, na suas forma de pensar, agir e sentir.

A vocês, parabéns e muito obrigado por tudo que aprendemos nesta caminhada no ano de 2008. Nós, mães e pais, vibramos, torcemos, suamos e sofremos junto com vocês, nossos filhos.

Aprendemos a ouvi-los e a enxergá-los para além da aparência e do óbvio.

Exercitamos flexibilizar negociar e priorizar tarefas, tempo, lazer, tentando colocar cada uma destas coisas no seu devido lugar e no seu momento adequado.

Cobramos demais? Cobramos de menos? Cobramos na medida certa? Não sabemos.

Mas uma coisa nós podemos dizer: Estamos orgulhosos de vocês. 

Nossos filhos queridos, nós te amamos.

Maria Teresa

Anúncios

2 thoughts on “Apologia de Sócrates ou Dos perigos e responsabilidades do professor

  1. Gostei muito!
    Profundo e você desenrolou muito bem o tema responsabilidade!
    E abalou quando fez o convite socrático:usar o conhecimento e a razão para compreender o verdadeiro mundo, oculto sob os véus da ignorância, do engodo e do preconceito.

  2. É muito bom quando recebemos um retorno do que escrevemos. Isto nos estimula a continuar.

    Sinta-se livre para divulgar, sempre que achar que as idéias expostas possam ser de auxílio.

    Muito obrigado pelos comentários!

    Prof. Mauricio Peixoto

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s